O que leva as Empresas a estabelecer parcerias com Start-ups?

capital venture article

 

Cada vez mais as empresas estabelecidas no mercado estão a criar parcerias com Start-ups e o modelo de Venture Capital já não parece ser somente uma questão de financiamento.

 

A última década testemunhou a criação de divisões de Corporate Venture Capital (CVC) por centenas de empresas. A participação de CVCs no ecossistema geral de Venture Capital (VC) tem vindo a crescer e VC já não deve estar associado somente a empresas financeiras. De fato e de acordo o estudo desenvolvido pelo CB Insights, em 2018, a dimensão média de deals de CVC atingiu um recorde histórico de US $ 26,3 milhões. Aparentemente, o CVC emerge como uma fonte relevante de capital empreendedor.

Mas o tema levanta duas questões: Como é que a natureza do CVC - como um investimento corporativo - difere do modelo tradicional de capital de risco intermediário? e Qual o interesse das empresas estabelecidas em capital de risco?

Primeiramente, é preciso tornar claro o conceito de Corporate Venture Capital (CVC), usualmente definido como um investimento de capital por uma empresa estabelecida numa entrepreneurial venture. De acordo com o artigo Making Sense of Corporate Venture Capital, a definição de CVC exclui investimentos feitos através de um fundo externo administrado por terceiros, bem como investimentos mais gerais de corporate venturing.

A natureza de CVC difere do tradicional modelo de capital de risco, uma vez que a empresa procura maximizar o valor para shareholders, quer em termos de valor financeiro quer em valor estratégico, contrariamente a um foco isolado em retorno financeiro. Ao que parece, a essência do Corporate Venture vai para além do tradicional investimento, uma vez que a mesma envolve a criação de colaborações estruturais, acordos de parceria e um casamento fantástico com ventures do exterior - start-ups e empresas de escala - beneficiando a inovação corporativa interna e gerando um crescimento mútuo.

E já estamos a meio caminho de responder à segunda questão – O que motiva as empresas a investirem em ventures?. Estudos anteriores reportam que CVC pode atuar como um instrumento para identificação de potenciais substitutos às ofertas corporativas existentes, como por exemplo: novos produtos, serviços ou tecnologias. À luz de resultados de pesquisas, as empresas identificaram como objetivos estratégicos de investimento, os seguintes pontos:

  • "adquirir conhecimento das novas tecnologias e novos mercados";
  • "importar ou aprimorar a inovação dentro de unidades de negócios existentes"; e,
  • "identificar potenciais oportunidades de aquisição".

“Este é o melhor momento de sempre para as corporações investirem em start-ups em estágio inicial porque o custo de iniciar uma start-up é o menor que já foi visto (...) nós estamos no momento-chave”. Pierre Rogers, Investidor em Venture e fundador da PuroTrader

Cada vez mais, as empresas estão a estabelecer parcerias com start-ups, e 2018 refletiu um grande crescimento no Global Corporate Venture Capital. Os grupos de CVC participaram em $ 52.95B de financiamento através de 2.740 negócios e 264 empresas de CVC investiram pela primeira vez (Maersk Growth, Porsche Ventures, Coinbase Ventures, citando alguns).

Google Ventures (GV) posicionou-se novamente em primeiro lugar como o CVC mais ativo, investindo em mais de 70 empresas. A Salesforce Ventures foi a segunda mais ativa, seguida pela Intel Capital. No que diz respeito aos investidores mais ativos em empresas unicórnio (empresas avaliadas em US $ 1 bilhão+), o top 3 foi ocupado pela CapitalG (Google Capital), GV e Dell Technologies Capital.

Os setores de Internet, mobile e healthcare atraíram investimentos de CVCs em 2018, mostrando um número crescente de acordos e financiamento. Em relação às indústrias emergentes, AI, Cybersecurity e Digital Health foram as tendências de Global Corporate Venture Capital.

Para concluir, gostaríamos de sugerir ao leitor um momento de reflecção sobre a trajetória de crescimento da sua empresa e como as políticas de finanças corporativas e de inovação são percebidas na sua área de atuação.

Don’t miss the bus e conheça o programa Global Strategic Innovation(GSI). Conheça os experts de Silicon Valley, empresas líderes e as start-ups emergentes no ecossistema. Compreenda o impacto da tecnologia disruptiva no desenvolvimento de negócio e sociedade e aprenda como melhorar o seu business model e a capacidade de gestão estratégica. Conheça o programa de inovação GSI aqui e não perca o blog aqui.

Quer saber como podemos ajudar?

Fale com um dos nossos gestores de clientes:

  

melhores empresas

Mantenha-se informado com a nossa newsletter


Dare to be Innovative, Embrace Transformation and Deliver a better world.
© 2019 LBC